mamâe e bebê

Sou a mãe do Nicolas, não tem nada que me descreva melhor do que isso. Sou também fisioterapeuta, especialista em neurologia e instrutora de pilates.

Hoje em dia sou mãe em período integral, tenho ele comigo 24 horas por dia, ele me acompanha em todas as minhas outras funções, que são administrar um estúdio de pilates, o Studio KaPri e ser fisioterapeuta, minha outra grande paixão. 

© Copyright – 2018 Materhood.     Todos os direitos reservados.

Abortos espontâneos

Atualizado: 1 de Ago de 2018


Quando engravidamos, nossos sonhos, planos e expectativas nascem junto com o positivo do teste de farmácia, o problema é que nunca imaginamos que eles podem não ser realidade.

Vem um primeiro sangramento, perguntamos ao nosso médico e procuramos em todas as fontes na internet, a princípio não tem nada que se preocupar, é só um sangramento normal e super comum, mas esse sangramento não para e naquela altura já sabemos que não estamos mais carregando aquele pacotinho tão desejado.

Sentimos todos os nossos planos descerem descarga a baixo, nos sentimos a pior mulher do mundo, aquela que não pode "segurar" o filho. Cada ida ao banheiro é seguida de muito choro e tristeza, uma tristeza que nos consome.

Aquela dor nos abate, é uma dor física, é uma dor que dói na alma.

É um momento de extrema fragilidade e só posso agradecer por ter um marido tão sensacional, ajudando a entender o momento, acalmar o choro e chorar junto, porque afinal de contas ele também perdeu um filho.

Sentia, como se tivesse sido cavado um buraco em mim e na verdade foi.

Cada um tem a sua maneira de lidar com a situação e a minha foi contar a todos que gostaria, pra viver meu luto, vivi intensamente, chorei dias seguidos e consegui entender que não era a hora, talvez eu não estivesse pronta, ou meu marido ou nosso neném, mais uma coisa foi boa, percebemos o quanto desejávamos ter um filho.

Se você já passou por isso ou está passando sinta meu abraço fraterno, não tem nada que possa escrever pra ajudar, a única coisa que acho importante é, se permita desmoronar, viva seu luto, seja por um dia, uma semana, um mês... o tanto que for necessário e depois encontre forças para seguir em frente, acredite o cara lá de cima sabe o que faz e não era hora.