Introdução Alimentar

Oi pessoal, vou descrever um pouco como foi a introdução alimentar aqui em casa, as dificuldades e o que me fez modificar.

Chegaram os tão desejados 6 meses, até então estávamos em amamentação exclusiva, contei os dias para esses 6 meses, pois começaríamos a tão esperada introdução alimentar.

A ansiedade e falta de informação dessa mamãe de primeira viagem atrapalhou bastante, mas faz parte do processo, no dia que ele completou os 6 meses fomos na pediatra e saímos de lá com a lista de frutas que podia dar. Nessa consulta perguntei sobre o BLW e por desconhecimento da médica, ela nos falou que ele não podia começar desse jeito porque não possuía o movimento de pinça. (o que não é verdade, pois os bebês começam de forma diferente justamente por não possuírem esse movimento ainda, mas só descobri depois).

Mamão foi a escolhida para iniciar e foi um sucesso, um monte de gente acompanhando como se fosse final de campeonato, uma vibração a cada colher que era colocado na boca, ele dava risada e provava a nova experiencia.

Com as frutas foi tudo bem, Nicolas provava e comia um pouco, tinha dias que comia um pouco mais e outros menos.

Um mês depois começamos a introduzir os salgados, ouvi que ele precisaria comer a quantidade de uma xícara e ai que começou a ficar complicado, ele NUNCA, comia isso e me vi distraindo e brincando com ele pra abir a boca e colocar comida dentro, afinal de contas, segundo a pediatra, ele PRECISAVA comer muito mais do que estava comendo. A situação não estava nada legal, o Nicolas assim que sentava no cadeirão já começava a reclamar, eu a cada refeição também me via incomodada com aquilo e foi ali que senti necessidade de mudança. Li muito, pesquisei, comprei livros e mudamos radicalmente a alimentação do Nicolas. Nessa época com quase 8 meses começamos o BLW.

Os principais pontos que amo no blw e em tudo que li é o seguinte, essa primeira fase o bebê precisa conhecer os alimentos e tudo bem se ele não comer bem, o leite continua sendo a principal fonte até o primeiro ano, então relaxa mãe. Envolva ele no processo, explique o que ele está olhando e o permita conhecer esse alimento, para conhece-lo ele vai apertar, cheirar, jogar no chão, vai fazer tudo antes de comer.

Respeite seu bebê, se ele não abrir a boca para comer é porque naquele momento ele não quer esse alimento, não empurre comida goela a baixo, ofereça em outro horário, de outra maneira, aprenda a entender seu bebê.

Nossa vida mudou completamente quando passei a entender e aplicar tanto o blw como a participativa em casa, as refeições são feitas de forma prazerosa pra mim e pra ele.



O que na minha opinião é mais difícil são os outros, infelizmente a maioria das pessoas desconhece essa técnica e morre de medo, com engasgos, detesta sujeira e por ai vai... O tempo todo, escuto um monte de besteiras e vejo olhos se revirando na minha maneira de introduzir os alimentos, mas faz parte e por isso o conhecimento é tão importante, pois te dá segurança para seguir em frente.



E por ai, como foi ou está sendo a introdução alimentar dos babys?



mamâe e bebê

Sou a mãe do Nicolas, não tem nada que me descreva melhor do que isso. Sou também fisioterapeuta, especialista em neurologia e instrutora de pilates.

Hoje em dia sou mãe em período integral, tenho ele comigo 24 horas por dia, ele me acompanha em todas as minhas outras funções, que são administrar um estúdio de pilates, o Studio KaPri e ser fisioterapeuta, minha outra grande paixão. 

© Copyright – 2018 Materhood.     Todos os direitos reservados.