Nossos filhos são esponjas

Fato que nossos filhos são conectados conosco, fato que eles conseguem sentir se estamos bem ou não, fato também que nosso bem estar influencia no dia a dia deles, agora o que me pegou de jeito é que as vezes nem a gente mesmo sabe que não está bem e mesmo assim eles sentem e "pegam" esse sentimento pra eles.

Recentemente teve um novo lockdown aqui onde moramos, isso modifica completamente minha rotina (que estava redondinha), me tira realmente do eixo e na minha inocência acreditei que só eu estava sentindo e que estava conseguindo disfarçar muito bem para as crianças.

Só que não né?!

O meu filho mais novo (11m), passou a acordar 5 ou 6 vezes por noite, dormir muito mal, só queria ficar colado comigo, estava abatido, cabisbaixo, no começo achava que era por causa do frio, das mudanças na nossa rotina, eis que fomos na osteopata (por outros motivos) e durante a sessão, ela pegou em um ponto no Arthur e me perguntou se eu estava aflita, angustiada, ele nesse momento começou a tremer o lábio, como se estivesse segurando o choro e ao mesmo tempo seus olhos foram lagrimejando, expliquei a situação pra ela e ela me disse, explica pra ele que esse sentimento é seu, que você que não está sabendo lidar com isso, que não é dele. Em seguida ele desabou em um choro tão sentido que partiu meu coração. Expliquei e conversei muiiito com ele e incrivelmente ele passou a dormir melhor e ficar muito mais animado e sorridente durante o dia.

E aí veio a reflexão, como pode um serzinho tão pequeno assim sentir tanto e entender tanto, no meio dessa loucurada chamada pandemia o que será que estamos passando aos nossos filhos? E calma, está tudo bem não se sentir bem, mas olha só a diferença gigante que teve quando eu expliquei pra ele que esse sentimento era meu e que ele não precisava dividir comigo.

Por isso quando "do nada" seu filho mudar o comportamento, fazer birras, ou acordar como nunca, olhe para você, reflita em como você está e o que está transmitindo mesmo que inconscientemente aos seus filhos, se sinta e se possível explique a eles o que está sentindo e que isso é seu, apenas seu.

Ás vezes buscamos respostas nos outros, arrumar o outro e não olhamos pra dentro, muitas vezes a resposta está dentro de nós mesmas.