Parto normal - com equipe plantonista - Relato de caso

Recebemos esse Relato de parto da Talita, ela sempre acreditou no corpo dela e correu atrás de muita informação antes do seu parto, pra poder saber na hora o que gostaria e o que não gostaria que fizessem e apesar de não poder ter um médico para chamar de seu, teve um lindo parto com a equipe plantonista do hospital.



"Bom, pra começar, sempre tive o desejo de ser mãe , sabia que mais cedo ou mais tarde eu seria , e sempre quis ter um parto normal! Acho incrível que o nosso corpo é capaz de gerar uma outra vida e então acredito que somos capazes de parir!!!

Ano passado descobri minha gravidez! Que felicidade! Fazia meu acompanhamento com uma médica, mas não sabia se ela realmente era a favor de parto normal, pois vivemos em um país onde a maioria dos médicos gostam de cesárias e acabam dando qualquer desculpa para te induzir a uma cesária ! Não sou contra , somente acho que ela só deveria ser feita se NECESSÁRIO mesmo!

Então com a ajuda de uma amiga que é enfermeira obstétrica achei um médico do meu convênio (conhecido dela) que era a favor de parto normal , pois não ia conseguir pagar todas as consultas se fosse particular! Comecei meu pré natal com ele e já perguntei quanto ele cobraria para me acompanhar no parto, pois aqui, os médicos que são a favor de parto normal cobram, não acho errado, pois eles podem ficar mais de 24h acompanhando um trabalho de parto e o convênio não paga bem para isso!

E foi aí que eu e meu marido resolvemos que iríamos ter nosso filho com uma equipe de plantão, pois não conseguiríamos pagar os valores que seria cobrado pelo médico e a equipe!!! Então comuniquei ao meu médico e ele super entendeu! Continuou meu pré natal e em todas as consultas ele explicava dos exames e de como seria na hora do parto! O que eu poderia aceitar ou não! Ele foi importante na hora de tirar as dúvidas!

Primeiro fomos conhecer os hospitais e decidimos pela estrutura e indicações que seria no São Luiz do Itaim. Depois procurei uma doula, pois acho muito importante pra quem quer ter um parto normal, ela foi até em casa, conversamos muito, tirou nossas dúvidas e nos explicou muitas coisas.


E a partir desse momento comecei a ler muuuuito! Seguir no Instagram médicos que são a favor de parto normal e me munir de informação, pois é a melhor arma que alguém pode ter! Tinha muito medo que algum médico do plantão quisesse fazer algo comigo que não seria legal! Aqui no Brasil acontece muita violência obstétrica, muitas pessoas passam por isso e nem sabe que passaram. Acham que é normal a episiotomia, que tem que ficar na posição ginecológica, que um empurrãozinho pro beber nascer é preciso e muitas coisas por aí!!! Eu tinha medo de sofrer violência obstétrica!!!

Meu marido já me acompanhava nas consultas e nos exames, mas fiz com que ele aprendesse sobre parto normal. Marcava ele em todos os posts que eu lia, em todos os estudos que fazia. E ele entendeu que ele seria uma peça muito importante na hora do parto, pois eu poderia não ter cabeça para recusar alguma intervenção que pudesse acontecer comigo. Ele seria minha voz!!!

Uma coisa importante que fizemos foi o plano de parto. É um papel onde colocamos o que queremos e o que não queremos que aconteça no trabalho de parto, na hora do parto e no pós parto e todos os procedimentos com o bebê, nosso plano de parto entregamos para o hospital! Também fomos orientados a fazer exames no próprio hospital quando chegássemos a 39 semanas!

Então chegou o dia tão esperado, um dia depois do meu aniversário, com 39 semanas e 5 dias! Comecei a sentir contrações doloridas e dor de barriga (minha doula tinha me falado que isso poderia acontecer). Liguei para meu marido e ele veio do trabalho, ligamos pra a doula e ela orientou pra ir pro chuveiro, mas não conseguia ficar lá. Acho que o medo e a ansiedade não deixavam! O hospital era longe da minha casa e com o trânsito complica mais, resolvi ir!


Chegando lá eu estava com 3 de dilatação e muita dor! Minha doula chegou (na verdade era outra, pois a minha estava em outro parto), lavei o consultório da triagem com vômito de tanta dor que eu sentia!!! Fomos levados a uma sala pré parto onde tinha uma maca e um chuveiro. Comecei a fazer exercícios indicados pela doula, depois chuveiro para aliviar as dores. E nesse meio tempo veio uma médica que queria estourar minha bolsa. Foi aí que meu marido entrou em ação. Ele conversou com ela (mais de uma vez) explicando que nós não queríamos que isso acontecesse e ela a todo custo queria estourar! Ela acabou nos dando um tempo, então fomos para o chuveiro, fizemos exercícios, carinho do marido e depois acupuntura. Ganhamos mais um cm de dilatação! E então a médica acatou nossa decisão e autorizou nossa ida para a sala de delivery (que é aquela sala com banheira e tudo para um parto normal). Antes fizemos mais um cardiotoco, nessa hora a bolsa estourou!!! Que alegria! Mas aí as contrações vieram com força total e ritmadas! Ah! Meu tampão só saiu nessa hora!!!!

Fomos pra a sala delivery, direto pra a banheira! Permaneci lá um bom tempo, não sei quanto. Mas não aguentei as dores e pedi analgesia. Essa era uma das coisas que eu não queria, mas... não deu. Depois que recebi a analgesia consegui dormir um pouco, pois já estava dentro do hospital faziam 9 horas e estava exausta.

E assim seguimos, fazendo exercício na bola, andando, tentando comer algo. Sempre entrava uma médica para me avaliar, para ouvir o coração do bebê. Uma equipe show de bola, nenhum momento me forçaram a nada e me induziram algo (somente naquele momento de querer estourar a bolsa)


Quando estava com 8 cm de dilatação aceitei a ocitocina. Eram 6 e pouco da manhã (mais de 14h no hospital) quando entrei no expulsivo! Onde temos vontade de fazer força para o bebê nascer!!! Fiquei na banqueta e toda contração a força vinha junto. Não é fácil, dói, mas é uma sensação inexplicável saber que estamos trazendo nosso filho ao mundo!

As 7h da manhã teve a troca de plantão, a médica que estava comigo desde as 6h se despediu e entrou um médico, homem. Naquele momento tive uma aversão a ele, achando que ele poderia ser grosso ou intervir, além da vergonha que eu tenho. Mas ele foi maravilhoso! Dr. Vinicius Moura, agora ele é meu médico!!!


Bom, as 8:07 do dia 15/05/2019 Gustavo veio ao mundo, direto para meus braços! Como sempre quis!

Mas ele chegou cansado e respirando mal! Assim o cordão foi cortado antes da minha placenta nascer (queria ter esperado), e ele foi aspirado para liberar as vias aéreas. Coisa de segundos ele voltou para meu colo, chorando e me olhando! Gustavo ficou o tempo todo no meu colo, mesmo quando fui para maca (meu períneo teve laceração e tive que levar ponto). Nesse momento ele mamou pela primeira vez e recebeu todo meu carinho! Só quando fui para o quarto é que o Gustavo foi avaliado, pesado e medido!

Bom! Essa foi minha experiência com uma equipe que não era minha, mas que fez um trabalho sensacional!!! Se você quer ter um parto normal um conselho que dou é busque informação! Esse é o melhor caminho!!! E acredite que nosso corpo é capaz de muitas coisas!!!"

Que história mais linda Tá, que maneira de trazer seu filho ao mundo e que sorte a sua de encontrar uma equipe tão maravilhosa mesmo sem conhece-los antes. Que possamos cada dia mais ler partos como o seu, respeitoso, com muito amor e cuidado!

Obrigada por me deixar compartilhar o inicio da vidinha de vocês!

mamâe e bebê

Sou a mãe do Nicolas, não tem nada que me descreva melhor do que isso. Sou também fisioterapeuta, especialista em neurologia e instrutora de pilates.

Hoje em dia sou mãe em período integral, tenho ele comigo 24 horas por dia, ele me acompanha em todas as minhas outras funções, que são administrar um estúdio de pilates, o Studio KaPri e ser fisioterapeuta, minha outra grande paixão. 

© Copyright – 2018 Materhood.     Todos os direitos reservados.