mamâe e bebê

Sou a mãe do Nicolas, não tem nada que me descreva melhor do que isso. Sou também fisioterapeuta, especialista em neurologia e instrutora de pilates.

Hoje em dia sou mãe em período integral, tenho ele comigo 24 horas por dia, ele me acompanha em todas as minhas outras funções, que são administrar um estúdio de pilates, o Studio KaPri e ser fisioterapeuta, minha outra grande paixão. 

© Copyright – 2018 Materhood.     Todos os direitos reservados.

Plagiocefalia - relato de caso

Oi gente, hoje vamos contar um pouquinho da história da Melina, quem nos conta é a mamãe Natália.



"Meu nome é Natália Merli e tenho uma filha de 5 meses chamada Melina.

Aos 2 meses comecei a perceber que a cabeça dela estava “amassada” na parte de trás do lado direito, no dia seguinte tivemos consulta com a pediatra e ela confirmou que estava amassada, comentou que seria uma plagiocefalia posicional. Disse que por ter descoberto cedo que poderíamos reverter e arrumar sozinho.

Aí começamos a deixa- lá mais de barriga pra baixo durante o dia, e dormindo de lado ( do lado oposto) e a noite ela dormia de barriga para cima, mas tínhamos que acordar de madrugada para virar sempre a cabeça dela pra esquerda. Começamos também fisioterapia pois ela tinha um grau leve de torcicolo congênito. Nem toda criança que tem plagiocefalia necessariamente tem torcicolo, mas pode estar associado.

Fizemos 2 meses e meio de fisioterapia e de reposicionamento. Melhorou bastante, visivelmente, porém não suficiente, não estava perfeitamente redondo. Então seguimos para o plano B, o uso de órtese craniana (mais conhecida como capacetinho). Poderíamos deixar e esperar para ver se continuava resolvendo sem ele, porém seria um risco que estávamos correndo, pois se não resolvesse teríamos que colocar a órtese mais para frente, e quanto mais tarde colocar mais tempo o bebê precisa ficar, pois o crescimento da cabeça é mais lento. Então resolvemos já arriscar.

Essas assimetrias cranianas, não é só um problema estético, no futuro, se não tratada, pode haver problemas na ATM, visão e outras coisas.

Mel começou a usar a órtese agora em Setembro, ela ainda está nos 5 primeiros dias de fase de adaptação, precisa ser usado 23h por dia e só tira na hora do banho. No caso dela pode ser que dure 3 meses o tratamento.

Os resultados são ótimos, já acompanhei outros bebês e estamos muito felizes em poder ter acesso e termos a oportunidade de dar esse tratamento para nossa filha. Ela é meu bem mais precioso e faço e farei de tudo para o melhor dela e para que ela seja feliz sempre. Amo minha filha.

E uma dica para você mamãe que repara isso no seu bebê, vá atrás do tratamento, por mais difícil que seja, por mais duro que é, vale muito a pena."









Compartilhe conosco sua história, com toda certeza ela poderá ajudar outras mamães também.